Intervenção Militar já?

Caros amigos

Não é errado incluir a Intervenção Militar no rol dos recursos disponíveis para a reversão do caos político, econômico, social e moral que se tem alastrado pelo Brasil, principalmente, a partir da chegada do Partido dos Trabalhadores ao poder.

No entanto, é um grave equívoco incluir como primeiro o que deve ser o último dos recursos da Nação. No jargão da Artilharia, “a ultima ratio regis” , ou seja, o último recurso dos reis, ou, ainda, a “reserva” da sociedade.

É erro tático e estratégico atuar sem reserva ou empregá-la prematuramente! Qualquer operação militar ou empreendimento deve ser planejado de forma a ser concluído com sucesso sem a necessidade de empregar a reserva, ou seja, com sobra de recursos ou de poder de combate.

Manter uma  reserva é tão importante nas operações que a sua existência e capacidade devem ser guardadas no mais absoluto sigilo, porquanto a sua neutralização é objetivo fundamental do planejamento do inimigo.

Induzir ao emprego prematuro da reserva faz parte das intenções de qualquer planejador, pois retira do adversário a capacidade de manobrar e de reagir, aumentando a probabilidade de sucesso do seu plano original.

É, portanto, equivocada a postura de quem só enxerga no emprego imediato do último recurso a solução para a crise e para a ameaça, assim como também é erro grave desconsiderar no planejamento a existência de uma reserva em condições de contribuir, no mínimo, para a manutenção da conquista dos objetivos.

Na Venezuela, o “comandante” Chavez iniciou seu movimento pela cooptação das Forças Armadas para o seu projeto bolivariano, tirando da sociedade o que seria, naturalmente, o seu derradeiro recurso. O mesmo, aparentemente, aconteceu no Equador.

Os Kirchner, na Argentina, sabendo da inviabilidade de cooptar as FFAA, trataram de demonizá-las e desmoralizá-las até que perdessem seu poder de combate e, principalmente, a confiança e o respeito da sociedade.

No Brasil, desde o fim do Regime Militar, a esquerda vem tentando implementar, em vão, uma estratégia do tipo “kirchneriana”, conseguindo nada mais do que aumentar o prestígio das FFAA  perante a sociedade e a confiança desta na capacidade dos militares para intervir, quando e se for necessário, e assegurar o respeito à sua vontade, à soberania e à inviolabilidade do território nacional.

O próprio governo petista, que tudo fez para deslustrar a imagem dos militares, tornou-se dependente do seu apoio para fazer as poucas coisas que deram certo em seu governo, tais como: projetar o poder militar do Brasil em Operações de Paz no exterior; mostrar ao crime organizado que não há lugar neste País em que o Estado não possa impor sua soberania; assegurar a segurança necessária aos grande eventos internacionais ocorridos no Brasil; fazer chegar água , sem politicagem e roubalheira,  aos brasileiros atingidos pela seca e pela inépcia dos governos em todos os níveis; e, para não alongar mais, a “Transposição do Rio São Francisco”, pois, como se sabe, o Exército Brasileiro (não o do Stédile) foi o único a cumprir sua missão.

A Sociedade brasileira tem, portanto, em sua composição de meios, uma reserva preservada, comprometida com os interesses do Estado, não contaminada pelo bolivarianismo e suficientemente forte para cumprir sua missão constitucional e seu compromisso com a democracia.

Essa mesma Sociedade, diferentemente do partido corruPTo, tem seu Plano B nas suas Forças Armadas, é a contingência que os atuais donos do poder jamais contarão para se perpetuar no poder.

Empregá-la prematura ou desnecessariamente é um erro estratégico tão grave quanto ignorar a sua capacidade, desconsiderar o seu comprometimento constitucional com a lei e a ordem e desacreditar da sua subordinação ao interesse nacional.

Gen Bda Paulo Chagas

= Nenhuma ditadura serve para o Brasil =

Publicado em Atualidades | 4 Comentários

Nós, do Exército Brasileiro!

Fomos nós, do Exército Brasileiro, que lutamos nos Guararapes contra o invasor holandês, justificados e motivados pelo sentimento de pátria que o amálgama de raças e o amor à terra fazia surgir.

Fomos nós que asseguramos a Independência, que lutamos na Cisplatina e que defendemos a honra, os interesses, a soberania e o patrimônio da Pátria nas guerras e conflitos internos que abalaram, ameaçaram e fixaram nossas fronteiras e asseguraram a unidade nacional.

Fomos nós que, aliados a antigos adversários, fizemos malograr as intenções expansionistas de Solano Lopes.

Somos nós, do Exército Brasileiro, que temos na consciência o peso da participação na derrubada do Império e que conhecemos a responsabilidade que nos cabe na instauração desta República que, até os dias de hoje, envergonha a história política do Brasil.

Fomos nós que lutamos em Canudos, no Contestado e na 1ª Grande Guerra Mundial. Fomos nós que, ao morrermos movidos pelos ideais “tenentistas”, escrevemos a epopeia dos “18 do Forte”

Fomos nós, do Exército Brasileiro, que ajudamos a colocar Getúlio no poder e não o impedimos de implantar o Estado Novo.

Somos os mesmos que, em 35, sofremos na carne a traição e a agressão assassina de comunistas fardados, falsos camaradas, idiotizados pelo internacionalismo vermelho.

Fomos nós que lutamos na Itália e que trouxemos de lá lauréis de bravura e de abnegação que refletem nosso exacerbado amor à  liberdade e à justiça.

Somos os mesmos, os do Exército Brasileiro, que, em MARÇO DE 1964, assumimos a liderança do clamor popular que repudiava a ameaça comunista que, mais uma vez, nos rondava às escâncaras e à sorrelfa, pregando mentiras e preparando o golpe de morte aos valores pelos quais sangráramos em guerras e revoluções.

Fomos nós, do Exército Brasileiro, que lutamos nas matas do Araguaia contra uma guerrilha de lunáticos, preparados por fanáticos da utopia comunista e liderados por falsos profetas que pregavam o ódio e exploravam desigualdades e injustiças que nunca pretenderam ou seriam capazes de corrigir.

Somos os mesmos que,  atônitos, vimos surgir nos grandes centros a ação deletéria, covarde e assassina de terroristas treinados longe da Pátria que, misturados às próprias vítimas, as usavam como escudo e camuflagem. Aprendemos, não sem perdas e sem o sacrifício de pessoas inocentes, a conhecê-los,  a combatê-los e a vencê-los!

Fomos nós que, com o espírito aberto e pacificador de Caxias, assistimos ao retorno dos banidos, dos fugitivos da justiça e dos exilados e que, inocentemente, alimentamos a crença de que, anistiados, voltavam ao convívio e ao aconchego da Pátria para ajudar na construção do Brasil livre, desenvolvido e democrático que o desejo da maioria impunha construir.

Fomos nós, do Exército Brasileiro, que, como Soldados da Paz, arriscamos nossas vidas na África, no Timor Leste e na Bósnia. Fomos nós que, ao levarmos a paz e a solidariedade ao sofrido povo do Haiti, morremos com ele, soterrados no cumprimento do dever.

Fomos nós, do Exército Brasileiro, que conduzimos e executamos as operações que resultaram na retomada de áreas ocupadas por facínoras e traficantes nos complexos de favelas do Rio de Janeiro, devolvendo e assegurando àquelas comunidades os direitos de cidadãos que a covardia, a omissão, os interesses e a conivência de políticos, governantes e até de policiais lhes haviam tirado.

Este rápido, superficial e incompleto passeio pela história de nossos feitos, faz ver que nós, do Exército Brasileiro, desde Guararapes até a “Maré”, carregamos e continuaremos a carregar a herança desses fatos e responsabilidades que não pertencem ao passado ou aos que lá estiveram naqueles momentos, mas a nós todos, soldados de ontem, de hoje e do amanhã, porque é herança de honra, de glória e de responsabilidade!

O que está feito não pode ser mudado e pertence a todos nós.  Não há como apagar a história nem há como fugir à responsabilidade sem deixarmos de ser nós mesmos. Não há ordem ou desconforto, de quem quer que seja, que nos possa fazer esquecer ou ser menos  responsáveis ou orgulhosos dos feitos e fatos que compõem a nossa história, sob pena de termos que abdicar do orgulho de sermos nós, os do Exército Brasileiro!

Gen Bda Paulo Chagas

Publicado em Atualidades | 8 Comentários

Por que não um Memorial da Corrupção? (Mais uma tentativa!)

Caros amigos

O governo do Distrito Federal insiste em dar continuidade ao projeto de construir, em plena crise financeira e no Eixo Monumental de Brasília, um memorial a João Goulart, um presidente não eleito cuja única atitude coerente foi abandonar o cargo e fugir para o Uruguai!

Jango estava no limbo de sofrer um golpe da “esquerda aliada” que, além de tirá-lo do governo, com certeza, o levaria à morte no paredão, como reza a cartilha e a tradição comunistas. Salvou-o do triste e violento fim o contragolpe que, em 31 de março de 1964, representando a vontade nacional, mudou, para sempre, o rumo e o destino do Brasil.

Seguindo a tendência de “fazer lembrar para não repetir”, a “moda” vigente no País é a de erguer ou transformar logradouros e prédios, públicos ou não, em memoriais voltados para a preservação da lembrança de práticas e fatos que, por suas características, se pretende abolir do repertório das ameaças aos “Direitos Humanos”. Cabe, aqui, transcrever o texto a seguir:

A corrupção representa uma violação das relações de convivência civil, social, econômica e política, fundadas na equidade, na justiça, na transparência e na legalidade. A corrupção fere de morte a cidadania. Num país tomado pela corrupção, como o Brasil, o cidadão se sente desmoralizado porque se sabe roubado e impotente. Sabe-se impotente porque não tem a quem recorrer. Descobre que os representantes traem a confiabilidade do seu voto, que as autoridades ou são corruptas ou omissas e indiferentes à corrupção, que os próprios políticos honestos são impotentes e que a estrutura do poder é inerentemente corruptora”. José Genoino em “A corrupção e morte da cidadania”O Estado de S.Paulo, 29 de abril de 2000.

O texto não pode ser mais preciso e completo para definir um crime que, por atingir indiscriminadamente todos os cidadãos, toma a forma e a hediondez do genocídio. Mais completa se torna a descrição quando sabemos que o autor é um consagrado corrupto julgado e condenado.

Por que então, aproveitando o embalo da vontade de construir um inócuo memorial a um Vice-Presidente, não erguer um “Memorial da Corrupção”, tendo como logradouros lógicos para abrigá-lo o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto, a Esplanada dos Ministérios, a sede nacional do PT ou das grandes empreiteiras brasileiras?

Nenhuma outra prática, ação, ou mesmo omissão produz mais ofensas aos DH do que a corrupção. Ela é como uma bomba terrorista de destruição em massa, pois, sem qualquer escrúpulo, fere, mata e espalha a destruição física, financeira e moral por todo o país.

No Brasil de hoje, patrocinados pelo oficialismo, os malfeitos e a impunidade já causaram mais vítimas entre nós, e seguem causando, do que todas as guerras que lutamos ao longo da nossa história.

Fica, pois, a proposta ao Sr Governador e à Câmara de Deputados do Distrito Federal, um Memorial da Corrupção e não ao Fujão!

Gen Bda Paulo Chagas

Publicado em Atualidades | 7 Comentários

A conquista do futuro que queremos para o Brasil

 

Caros amigos

A prendi, ao longo da vida, o quanto há de verdade na máxima de que mais valem as lágrimas da derrota do que a vergonha de não ter lutado.

Da mesma forma, também aprendi o quanto está certa a lição de Santo Inácio de Loyola quando nos diz que devemos rezar como se tudo dependesse de Deus, mas trabalhar como se tudo dependesse de nós.

Após as manifestações de ontem, 16 de agosto, e apesar delas, continuam circulando, entre as inúmeras mensagens de júbilo, entusiasmo e orgulho pelo que foi feito nas ruas, um bom número de comentários negativos que depõem contra  seus autores quando confrontadas com os irrefutáveis ensinamentos contidos nos parágrafos anteriores.

Se acreditamos de fato na DEMOCRACIA, temos que entender, o quanto antes, que assim como o derrotismo, o conformismo e a acomodação são os melhores antídotos contra as mudanças que queremos ver realizadas no Brasil, o imediatismo é o germe que não nos permite aprofundar o conhecimento e que compromete o nosso futuro enquanto nos mantém vulneráveis à demagogia das lideranças de palanque e nos compele à insensatez da superficialidade nas escolhas e nas decisões.

Ninguém tem dúvidas – em particular Lula, Dilma, seus comparsas e os políticos em geral – de que a maioria absoluta do povo quer mudanças na política brasileira e que juntou-se ao grupo dos que sempre souberam o quanto os brasileiros têm sido enganados e induzidos a fazer escolhas que só aos canalhas interessam.

Esta é a realidade a ser explorada e maturada por aqueles que conhecem e acreditam na democracia. Este é o significado dos “panelaços” e das últimas três manifestações de rua. Esta é a agarra que nos dá o apoio para mais um lance seguro na exaustiva e longa escalada rumo à conquista do topo da montanha. Esta é a FORÇA que os fará respeitar a vontade e os direitos dos verdadeiros e legítimos detentores do poder!

A utilização de qualquer outro meio para conquistar a montanha é o mesmo que só rezar e entregar, sem mérito ou luta, o futuro nas mãos dos outros.

É preciso confiar no processo democrático e entender que não há atalhos para a conquista da maturidade política. É preciso acreditar que não há, nem pode  haver,  força maior do que a vontade da maioria. É preciso mudar o comportamento e eliminar do quadro de representantes e dirigentes aqueles que transformaram a carreira política em sinônimo de esperteza e de desonestidade. É preciso que os derrotistas, os acomodados e, principalmente, os imediatistas se unam aos que, antes de tudo, acreditam em si próprios e no poder da vontade nacional e que contestam e protestam,  ao vivo e nas cores da pátria, contra o estado de coisas que nos empobrece econômica e moralmente!

Sérgio Moro está a nos mostrar que as instituições, mesmo aparelhadas, estão vivas e que, com o trabalho intenso e bem feito dos homens e das mulheres de bem, a imundice que tomou conta da política pode ser eliminada. O pavor que se apodera dos Congressistas é uma prova disso e nos mostra o quanto temos errado nas nossas escolhas. É preciso, portanto, acreditar que é possível, necessário e urgente mudar o perfil dos nossos representantes.

As eleições de 2016 serão a primeira oportunidade para mostrarmos que não estamos acovardados, que não somos derrotistas, que não estamos apenas rezando, mas trabalhando e lutando para conquistar, com a força da nossa vontade, o futuro que queremos para o Brasil!

Gen Bda Paulo Chagas

= Nenhuma ditadura serve para o Brasil =

Publicado em Atualidades | 7 Comentários

PETISTAS RIDÍCULOS E APAVORADOS!

“Qualquer tentativa de abreviar seu mandato [da Dilma] não será aceita pela população brasileira. Não pensem, esses entusiasmados golpistas, que nós assistiríamos – e digo nós os movimentos sociais, nós parlamentares, nós os miseráveis (SIC) que saíram da condição de miséria à época do governo Lula, a juventude – não vamos assistir passivamente a derrubada da presidenta Dilma, (…) erros foram cometidos e é necessário estender a mão ao diálogo com todos os setores, um diálogo realmente efetivo, que vá além da retórica”. Humberto Costa (PT).

Caros amigos, o meu comentário enviado ao Sen Humberto Costa:

A abreviação do mandato espúrio da Governanta é o desejo de 90% dos brasileiros, quem, Sr Humberto, “não aceitará”? Seriam os mamadores petistas e seus apaniguados que sugaram todos os recursos públicos e privados?

Entusiasmados “golpistas”? A diferença entre o impedimento de Collor e o da Dilma, Sr Humberto, é apenas o nível de corrupção, muitíssimo maior neste do que naquele tempo. Onde está o golpismo? Ou a Constituição é golpista? Ou o PT deixou de ser golpista para ser apenas corruPTo?

Os seus “movimentos sociais” são uma minoria movida a sanduiche de mortadela, não têm mais significado no contexto da Nação, roubada, enganada e vilipendiada pelos clePTomaníacos do seu partido!

Quem saiu da miséria a ela voltou, Sr Humberto, porque nunca dela saiu! Os miseráveis foram reunidos, enganados e supridos com promessas e dinheiro falsos! Acabou, Senador, por favor, distribuir o que não existe é o mesmo que mentir, não minta!

A sua “juventude”, Sr Humberto, a que apoia o governo petralha, é a que não estuda, que não sabe nem quer saber de nada, que ainda usa camiseta vermelha com a cara do Che Guevara e a estrela dos corruPTos! A sua “juventude” é a que vai para as portas do Congresso para impedir de forma truculenta a prática da democracia. A sua “juventude”, Senador, é a que, mascarada e munida de explosivos, paus e pedras, mata jornalistas e vandaliza o patrimônio público e privado! Não representa, portanto, a juventude do Brasil! Seja conveniente, Senador!

Sim, Senador, muitos “erros” foram cometidos por todos nós brasileiros e o pior deles foi ter acreditado nas mentiras da Governanta que o Sr quer preservar no poder, apesar das falcatruas, das evidências e da lei! Ela permitiu a quebra do Brasil, mentiu e foi eleita em bases falsas, iludiu o eleitorado e perdeu a legitimidade! Ela tem que admitir os erros, tem que confessar o estelionato e renunciar! É o único “diálogo” admissível e a única coisa decente que ela, o Sr e o PT ainda podem fazer pelo Brasil!

“Temos [INFELIZMENTE!] uma presidenta eleita, empossada e no exercício [INDEVIDO!] do mandato”. Gleisi Hoffmann (PT).

Poupem o Brasil, tomem vergonha na cara e saiam pela porta dos fundos da história, o quanto antes!

Gen Bda Paulo Chagas, cidadão brasileiro!

Publicado em Atualidades | 28 Comentários

E agora, Zé?

A vaca tossiu, o boi espirrou, ambos foram para o brejo e tantas outras coisas estranhas aconteceram que você já não entende nem controla mais nada.

Logo você, Zé, tão confiante, tão irônico, tão arrogante, presunçoso e vaidoso, novamente em cana e, pior, sem o benefício de ser réu primário.

Vai penar, camarada “Caroço”!

Logo você, homem de tantas caras e estranho caráter, que sempre se considerou acima da mediocridade e melhor do que os outros. Logo você, o esperto, o safo, o maior dos hipócritas, o todo poderoso, agora humilhado, envelhecido, com aspecto de doente, triste, derrotado e abandonado!

O que lhe resta, Zé? Você não tem mais poder, não tem mais amigos, seu advogado é um pândego, todos riem de você e da sua “má sorte”. Todos querem a sua caveira. Desde inimigos e desafetos até os antigos aliados e “camaradas de armas” o tratam como se tratava um leproso!

É difícil dizer-lhe o que fazer porque, na sua situação, a saída demanda o que você, parece, nunca teve ou sabe o que é: humildade, franqueza, honestidade e coragem. No entanto, tudo o que você não quer contar e confessar será dito pelos outros, os seus comparsas, que, premiados pela delação e vencidos pelo medo, contarão a verdade sobre você, seus camaradas e seu partido.

Há fantasmas que, a cada dia mais, o devem estar apavorando, todos sabem disso, porque, ao vê-lo recluso ao lugar onde a Justiça o colocou, eles, literalmente, ululam de prazer!

Já o Lula, tanto quanto você, está insone, mas com a possibilidade de que você ceda à pressão do mínimo de dignidade que, se imagina, ainda lhe reste e, abraçado a ele, salte para dentro do círculo da verdade.

Quando você, Zé, vencido pelas evidências e pela perspectiva de décadas na clausura, abrir o bico e o jogo, será decretado o fim melancólico da novela macabra:

“O PT e a tomada criminosa do poder”.

Um epílogo esperado por toda a Nação e que fará de você o maior de todos os seus protagonistas. Pense nisso, Zé!

Você menosprezou a inteligência e a paciência do Brasil e dos brasileiros e, agora, só lhe resta contar tudo, cumprir uma peninha de delator e voltar, para sempre,

“pra Cuba que te pariu”!

Faça isto, Zé, pelo menos isto, pelo seu bem e pelo bem do Brasil!

Paulo Chagas,

cidadão brasileiro!

Publicado em Atualidades | 7 Comentários

Terrorismo…

Caros amigos

Poucos cidadãos brasileiros NÃO têm o direito de condenar o terrorismo. Entre estes estão a Governanta Dilma Rousseff e o Ministro Jaques Wagner. A primeira porque participou de atos de terrorismo contra o Estado brasileiro – e não se arrepende de tê-lo feito – e o segundo porque, como Governador da Bahia, substituiu, em uma escola pública, o nome de um General pelo do maior e mais perigoso terrorista da história deste país.

De Dilma fica óbvia a posição de impedimento, já, com relação ao Sr Ministro, ainda cabe comentário face a atitude incoerente de condenar e qualificar como terrorismo um ato de vandalismo executado em frente ao “Instituto Lula da Silva”, sobre o qual há fundadas suspeitas de que possa ter sido executado pelas próprias vítimas, porque, de petistas, terroristas e vândalos, tudo se pode esperar!

Fico a me perguntar: Que tipo de cidadãos estão sendo formados na Escola Carlos Marighela? Que exemplo está sendo oferecido aos alunos por intermédio da “ficha policial” do terrorista que dá nome ao educandário? Como os alunos desta escola podem julgar um ato de terrorismo se foram instruídos a enaltecer e a orgulhar-se da obra de um terrorista? Que explicação tem o Sr Jaques Wagner para dar a estas conflitadas mentes infantis, coisa que, até hoje, não se dignou a fazer para os militares?

Tanto Dilma quanto Jaques Wagner não têm moral para comentar ou condenar o suspeitíssimo atentado ao centro de coordenação geral de atividades suspeitas sob a fachada de “Instituto Lula da Silva”!

Gen Bda Paulo Chagas

Publicado em Atualidades | 6 Comentários