Financiamento de ilegalidades

Caros amigos
A proposta de “devolver o mandato” de Jango, apresentada por Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e por Pedro Simon (PMDB-RS), visava, segundo eles, a fazer um “resgate histórico” porque a vacância permitiu o contra golpe militar de 1964, embora Jango estivesse em fuga para o Uruguai, passando por Porto Alegre (RS). A ideia, de acordo com os “recontadores da história”, seria retirar qualquer “ar de legalidade” daquele movimento cívico militar.
Vale perguntar aos autores da proposta:
1) A Revolução Cubana foi um golpe legal ou ilegal?
2) A Revolução Russa (1917) foi um golpe legal ou ilegal?
3) O golpe comunista, planejado para derrubar Jango em maio de 1964, seria um golpe legal ou ilegal?
4) Se efetivado o golpe da esquerda, Jango teria sido fuzilado, como historicamente acontece nas revoluções comunistas. Este fuzilamento seria legal ou ilegal?
5) Considerando que as revoluções comunistas são, como disse o “Che” na Assembleia da ONU, “a muerte”, os demais fuzilamentos, que certamente ocorreriam. seriam legais ou ilegais?
6) A eliminação de testemunhas, de autoridades e de lideranças adversas, previstas no planejamento de Leonel Brizola para emprego dos seus “grupos dos onze”, se efetivada, seria legal ou ilegal?
7) Se Jango não lograsse fugir, teria sido preso. A prisão seria legal ou ilegal?
8) Se alguns ou todos os fatos históricos ou suposições acima fossem consideradas legais ou ilegais, isto mudaria alguma das suas consequências, ou faria com que deixassem de acontecer ou de ter acontecido?
A realidade é que a legalidade ou a ilegalidade de um fato histórico é irrelevante cinquenta ou mais anos depois, porquanto, seja como for, ele já aconteceu e gerou suas consequências, sejam elas negativas ou positivas. Mudar a cara do fato pode ser tudo, demagogia, pantomima, palhaçada, hipocrisia, pode ser até a reparação teórica de um erro, mas não altera o fato!
Para os cidadãos brasileiros, achacados pela maior taxa de impostos do mundo sobre a sua produção, seu trabalho e seus salários e que sustentam a corrupção endêmica da política nacional, a papagaiada proposta por Randolfe e Simon e executada pelo governo federal foi ILEGAL, como o é qualquer desperdício de recursos públicos!
Isto poderia ter sido evitado e estes recursos poderiam ter sido melhor empregados, mas não foram, agora, o fato é história. Legal ou ilegalmente, o dinheiro já foi posto fora, não tem mais volta, não há mais como “resgatá-lo”, assim como o mandato de João Goulart, não há como “devolvê-lo”, alterar o fato e dar ao gasto qualquer “ar de legalidade”!
Paulo Chagas, cidadão brasileiro compulsado a financiar ilegalidades!

Anúncios
Esse post foi publicado em Atualidades. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s