O que mudou no Brasil desde Março de 1964 para cá?

Caros amigos
O objetivo do movimento comunista é fazer a mudança da natureza do homem, tirando-lhe a iniciativa e a ambição (motores da evolução da humanidade), transformando-o em um ser amorfo, acomodado e submisso – a sociedade sem classes. O que é uma balela, porque, no final das contas, a sociedade comunista não as elimina, mas as resume a duas: o partido e o proletariado.
Para isto empenham-se para promover o rompimento com os valores judaico-cristãos que orientam, organizam e disciplinam a nossa sociedade – família, respeito à tradição, temor a Deus, respeito ao mestre, aos mais velhos e às instituições, valorização do mérito.
Essa desconstrução de princípios é fundamental para nivelar os homens por baixo, daí a quantidade de invejosos, iludidos, ingênuos, desajustados, incapazes, incompetentes e espíritos de porco que assumem as bandeiras e se identificam (ou pensam que se identificam) com o ideário comunista.
Em 64 vivíamos o ápice da sua segunda tentativa de tomada do poder e, consequentemente, da desconstrução dos valores culturais conservadores (morais, éticos e religiosos), chegando ao cúmulo da ousadia de subverter a disciplina militar para, logicamente, enfraquecer estas instituições e sua possível reação ao golpe.
O “basta”, representado pelas Marchas da Família com Deus pela Liberdade, foi a centelha para a reação e para a recuperação dos valores que estruturalmente suportam a sociedade brasileira. Ou seja, o movimento cívico militar reafirmou e recuperou estes valores, não permitindo que outros os substituíssem.
Na área econômica, basta dizer que o Brasil, em 64, era quase a 50ª economia do planeta, com uma inflação de 80% ao mês, sem indústrias e sem estruturas para evoluir e, ao final do período militar, após as duas crises do petróleo que mudaram a configuração econômica do mundo, o Brasil ocupava a 8ª posição neste ranking.
A atuação na área política foi o ponto fraco do regime militar, pois desprezou suas práticas ao invés de corrigi-las e não soube formar novas lideranças, capazes de dar continuidade ao trabalho dos técnicos, especialistas e militares que alicerçaram as bases para a evolução e deram o novo rumo ao Brasil. Hoje estamos nas mãos de uma classe política de politiqueiros, despreparados, mal-intencionados ou comprometidos com a ideologia da escravidão e da mediocridade!
Após o fim do Regime Militar houve no Brasil uma intensa preocupação em proteger o cidadão comum de uma possível ação “opressora” do poder do Estado. Foram criados instrumentos legais que restringem, condicionam e tolhem a agilidade da atividade de segurança pública e do processo judicial.
Neste cenário, houve incremento do crime organizado. Os novos instrumentos, ao dificultarem o exercício do poder coercitivo pelo Estado, facultaram aos criminosos maior liberdade de ação, banalizando o crime e difundindo no País um destrutivo clima de impunidade. Os legisladores, tentando proteger o cidadão “de bem” de uma possível ação repressora ou ditatorial, acabaram por proteger os criminosos.
Na mesma linha de oportunismo encontram-se movimentos de pressão social, como o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e outros, que, apropriados por lideranças radicais e ideologicamente revolucionárias e escudados na legitimidade das questões sociais que representam, praticam a desobediência civil de forma crescente e planejada, podendo, a qualquer momento, ultrapassar a capacidade do poder de polícia dos governos estaduais, passando a ameaçar o próprio poder central da União.
Integrantes do MST já assumem publicamente a possibilidade de optar pela luta armada!
Hoje, em função desta permissividade, estamos outra vez no limiar do rompimento das estruturas conservadoras que, respeitando e valorizando as diferenças individuais, sempre foram as molas mestras da evolução da humanidade, não apenas do Brasil.
O rompimento com estas estruturas é o responsável último pelo caos que se aproxima, pois, “o socialismo dura enquanto durar o dinheiro dos outros”!
A situação atual do Brasil e a de todos os demais signatários do Foro de São Paulo demonstra que, neste rumo, irão todos acabar como Cuba, exportando mão de obra escrava, pois não lhes restará outra riqueza.
Gen Bda Paulo Chagas

Anúncios
Esse post foi publicado em Atualidades. Bookmark o link permanente.

7 respostas para O que mudou no Brasil desde Março de 1964 para cá?

  1. Bom dia, General. O Sr. poderia confirmar se o depoimento desse vídeo é, de fato, de sua autoria? https://www.facebook.com/photo.php?v=10201934266021612&fref=nf
    Muito obrigado!

  2. Ivo Alves disse:

    Boa tarde, Sr. General!
    Seus textos refletem o que a maioria do povo brasileiro gostariam de falar!
    Continue firme e forte, Que Deus o abençoe sempre!
    Abraço

  3. Afranio Barbosa de Souza disse:

    General: Acabo de ler Reminiscências da Campanha do Paraguai, de Dioniso Cerqueira. Desde o século XIX os militares vem salvado este pais, mantenho sua unidade territorial e são sistematicamente criticados pelos políticos que se sucedem. Amo o meu pais, mas tenho vergonha como cidadão dos dias atuais. Morrerei sem ver o Brasil com que sonhei. Minha geração fracassou.
    Afrânio Barbosa de Souza

  4. Rodrigo Marinho disse:

    Boa noite Sr General. Me chamo Rodrigo, sou professor de Sociologia da Rede Pública de Ensino do Estado do Rio de Janeiro, e estou a escrever-lhe para dizer que tenho gosto em ler seu blog e suas opiniões bastante ponderadas sobre diversos temas, em especial sobre ” Março de 1964″, ao declarar o seguinte:

    “A atuação na área política foi o ponto fraco do regime militar, pois desprezou suas práticas ao invés de corrigi-las e não soube formar novas lideranças, capazes de dar continuidade ao trabalho dos técnicos, especialistas e militares que alicerçaram as bases para a evolução e deram o novo rumo ao Brasil. Hoje estamos nas mãos de uma classe política de politiqueiros, despreparados, mal-intencionados ou comprometidos com a ideologia da escravidão e da mediocridade!”

    É algo que cabe bastante reflexão, uma vez que essa classe de “politiqueiros, despreparados, mal-intencionados ou comprometidos com a ideologia da escravidão e da mediocridade!” são responsáveis pelos maiores escândalos de corrupção em quase 30 anos de “Nova República”, e usam argumentos falaciosos do tipo: “a corrupção, é algo que faz parte da democracia, não se pode mudar”.

    Já escutei algo sobre isso, entre muitas outras declarações lamentáveis que não cabem ser reproduzidas aqui.

    Tive a oportunidade de assistir a uma palestra do General Ulisses, ex – Presidente do Clube Militar do Rio de Janeiro sobre os 45 anos do “Março de 1964”, oportunidade que foi esclarecedora para mim na ocasião, uma vez que pude escutar uma versão pouco conhecida sobre o ponto de vista de um Historiador e General do Exército, com fonte tão dignas de confiança, na época era estudante de Sociologia na Universidade, e esse fato me apontou “novas possibilidades” de interpretação e até mesmo de debate sobre dado tema tão presente na História presente do Brasil.

    Continuarei a acompanhar o blog do senhor, espero ter a oportunidade de encontrá-lo e conversar contigo sobre esse tema que muito me interessa, uma vez que tenho a oportunidade de escutar de quem viveu tal momento, pois vivo no Rio de Janeiro, e seria uma “oportunidade de ouro” que não deixaria de perder de jeito nenhum.

    Agradeço o espaço cedido, atenciosamente, Rodrigo Cassio Marinho da Silva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s