Militares “covardes” e “omissos” (??).

Caros amigos

Tenho recebido muitos comentários oriundos de pessoas que apoiam e propõem como solução para o Brasil a “volta dos militares ao poder da República”.

Alguns afirmam que eles deverão fazê-lo “de forma cirúrgica”, outros que pelo tempo necessário para “eliminar” os maus brasileiros que, eleitos pelas fraudáveis urnas eletrônicas e pela massa de ignorantes que compõe o povo ou infiltrados nas escolas, nas universidades, nas artes e na imprensa, nos levaram ao caos.

Dentre esses, há muitos que acusam os militares – aqueles que irão “salvar a Pátria” – de serem “covardes” e “omissos”. O que me parece absolutamente incoerente com o propósito, porquanto, se assim for, estarão confiando a solução às mãos de quem não tem competência para a missão!

Há outros que enviam-me ameaças como: “Se vocês não fizerem, faremos nós!”. Respeito a todos e procuro responder quando e como posso, porque, como muitos outros brasileiros, não faço apenas reclamar e, a esses últimos, respondo como lhes responderia o Gen Carlos Flores de Paiva Chaves: “Não espere, faça!”.

Para não ter que escrever muitas vezes a mesma coisa para cada um, repito aqui, para conhecimento geral, o que tenho postado como resposta.

Começo dizendo que, se a “intervenção” for a solução, ela será adotada no momento em que os que decidem e a devem executar julgarem oportuno. Nem eu ou os que a querem estão nesse grupo.

Mas, já que os militares – “covardes” e “omissos” – não terão coragem e iniciativa para “salvar o Brasil”, ficam as perguntas: Como pode um agrupamento de “covardes sem iniciativa” dar solução aos graves problemas enfrentados pela Nação? Por que, então, perder tempo, estendendo faixas e “batendo panelas” na frente dos quarteis, incitando incompetentes para irem à luta?

Se não têm outra linha de ação, permito-me sugerir-lhes que relaxem, vão para algum lugar bucólico e aproveitem a vida como puderem. E acrescento que eu, infelizmente, não posso fazer isso porque ainda acredito nos brasileiros, alfabetizados ou não, aí incluídos os meus “covardes e omissos” camaradas.

Repito, ainda, que o tempo dos militares é semelhante ao tempo de Deus, porque, embora eles não sejam perfeitos e onipresentes como Ele, eles acompanham de perto TUDO o que acontece no País e têm os dados que precisam para definir o momento de intervir para corrigir os erros que todos nós – inclusive eles – temos cometido.

Diante do caos em que vivemos, os pilares que orientam as atitudes dos militares – legalidade, legitimidade e estabilidade – devem ser interpretados de duas formas. A primeira é que os militares atuarão sempre dentro da legalidade e com legitimidade, evitando, a qualquer preço, contribuir para a instabilidade. A segunda é que, se por qualquer razão, alheia à vontade ou às atitudes dos soldados, a estabilidade for perdida, isto legitimará uma ação militar visando a restaurar aqueles pilares.

Não serei eu, nem nenhum outro patriota, intervencionista ou não, quem irá definir a forma ou a “hora H” de um movimento militar, mas a sua competência e o acompanhamento cerrado da situação em que vivemos.

Eu, diferentemente dos inúmeros patriotas que assim se têm manifestado, sei que os soldados não são covardes e muito menos omissos, acredito neles e no que eu, como cidadão brasileiro, ainda posso fazer pelo meu País!

O pessimismo é a mais eloquente manifestação da covardia e da omissão!

É como penso.

Gen Bda Paulo Chagas

APRENDENDO COM O INIMIGO!

Anúncios
Esse post foi publicado em Atualidades. Bookmark o link permanente.

26 respostas para Militares “covardes” e “omissos” (??).

  1. sueli ambrosio disse:

    Vamos nos render a isso, Excelentíssimo senhor General. Realmente, nossos ânimos se exaltam diante do caos promovido por aqueles que têm o dever de governar o país e nos dar a certeza de um futuro melhor. Eles já mostraram a sua verdadeira face para nós. Nossos ânimos se exaltam pelo medo desse futuro incerto e, muitas vezes, conclamamos as Forças Armadas a agirem, até com insolência.Nosso dever é nos retratar e acreditar que o muito que acreditamos saber, não é nada diante do conhecimento dessa nossa gloriosa FA. Somente elas saberão como e quando agir, e tenho certeza que nosso país será salvo outra vez. Que essa dura lição nos leve a rever nossos erros. Deixo aqui meu grande apreço por V.Ex.ª.

  2. Paulo Machado Afonso disse:

    General, o senhor tem sido um exemplo de inteligência e equilíbrio para todos nós, seus leitores.

    Se e quando chegar a hora de os militares intervirem no governo de nosso país, estaremos prontos a apoiá-los na medida máxima de nossas possibilidades.

    Não deixa de ser curioso que, para boa parte da população, os militares sejam vistos como “gorilas”, “truculentos”, “radicais” ou algo assim.

    Esses indivíduos não têm ideia de quantos anos de intensos estudos são necessários para a formação de um oficial graduado, sobretudo um general.

    Paradoxalmente, muito deles, e conheço alguns, ficam extremamente orgulhosos quando seus filhos ingressam no Colégio Militar ou no IME.

    Conheço também algumas das pessoas a quem o senhor se referiu, que acham os militares “omissos” (“covardes”, sinceramente, nunca ouvi ninguém falar).

    Entendo isso, e às vezes também me bate um desespero.

    Mas penso que a situação poderia estar muito pior, não fosse pela simples existência de nosso exército e sua tradição anticomunista.

    Muito obrigado.

    Paulo Machado Afonso (tradutor – Rio de Janeiro RJ)

  3. João Severino disse:

    Parabéns General

  4. Mauro César disse:

    Só tenho a lamentar pelo tipo de comandantes de nossas FFAA. São no mínimo frouxos e omissos sim. Gostem ou não de serem tratados assim.
    Um abraço General.

    • Mauro, você é, de fato, um desinformado. Não lamento, porque você não precisa saber de tudo, mas, pelo menos, saber avaliar o que você gostaria de saber, observando o todo, a lógica e os detalhes do que é posto à disposição de todos.

      • Mauro César disse:

        Nobre General, se os militares, em especial os do alto comando, são tão informados quanto o senhor diz que são e deveriam ser mesmo, então eles sempre souberam dos esquemas bilionários de corrupção, das intenções sempre nefastas destes quadrilheiros que tomaram o poder. E o que fizeram? O que estão fazendo? Ou melhor, o que vão fazer? Infelizmente acredito que nada!! Se nas entrelinhas, os militares de modo geral, culpam a população por colocar esses bandidos no poder, devemos todos, incluindo os militares, ter a hombridade de reconhecer que sofremos uma fralde eleitoral sistemática. Fraude esta feita através de urnas eletrônicas onde o jogo já está com o resultado definido. O sistema, independente de ideologia, não pode ser interrompido. O grosso da população é sistematicamente manipulada pela mídia nefasta e mentirosa. Da mesma forma que os militares refutam uma intervenção como forma de romper este sistema, acusando, mesmo que sutilmente, a população por tudo que aí está, deveriam reconhecer que esta mesma população é totalmente manipulável, igualmente as urnas eletrônicas.
        Um abraço General

      • Caro Mauro, em verdade eu lhe digo que desconheço o que você imagina que seja uma solução para o Brasil. Você se coloca em impasse na medida em que põe em dúvida a qualidade e a capacidade de qualquer recurso da nação para salvar-se de si mesma. Só posso lamentar o seu pessimismo e a sua falta de expectativa, males dos quais não padeço e para os quais não tenho remédio.

  5. Nolico disse:

    Bom dia Gal. Paulo.

    Estou pessimista com relação ao destino reservado à nossa Pátria. Por via de consequência faço parte, conforme salientado por V.Sa., do grupo de covardes e omissos, infelizmente.

  6. estimado Gen Paulo Chagas…eu acredito que uma intervenção militar haverá derramamento de sangue de muitos brasileiros…seguramente de 35% da população é contra!!! masacredito que o momento já passou e alduma atitude tem que ser tomada o mais breve possível!!! nao podemos continuar mais a aceitar estas mazelas das instituições governamentais!!!é hora de um basta!!!! nao quero apenas intervençao militar…quero novamente os militares no poder . recentemente o Gen Villas Boas https://www.gob.org.br/comandante-do-exercito-brasileiro-profere-palestra-no-gob/ …. proferiu um palestra no GOB – Brasilia….infelizmente temos muitos IIr.’. maçons contra!!! mas temos que pensar em um futuro rapidamente, pois qdo mais piorar torna-se mais difícil a reconstrução !!!!vivemos um verdadeiro escarnio em nossas instituições governamentais!!! esta corja não cria vergonha…poderemos ter um excelente presidente…porém a estrutura hierárquica é podre…!!!os Srs…muitos já estão na reserva….é a salvação deste grande Brasil no resgate de valores de outrora,,,,respeito, civismo, patriotismo…..etc..etc…vcs fizeram o que tinha que ser feito…e somente bandidos nao gostavam do regime militar…por favor por mais uns 40 ou 50 anos no mínimo!!!! é a única instituição que tem possibilidade de mudar nossa trajetória!!! e quem nao estiver feliz com isto…quiser que caía fora do Brasil, ou serão massacrados…Foi a melhor época em que viveu-se neste Brasil!!! parabenizo sempre o regime militar…doa a quem doer…mas façam algo urgente pf….nao interessa se irão chamar de golpe ou não…entretanto qdo o povo começar a sentir os resultados positivos como aconteceu na época da chamada ditadura ( que é falso…) foi o grande desenvolvimento e geração de empregos, estrutura básicas que foram implantadas e depois destruídas pelos sucessores da falsa democracia!!!POR FAVOR….FAÇAM ALGO URGENTE!!! estimo que terão certamente em torno de 70% de apoio do povo!!!
    obrigado pela atenção…e sucesso é que desejo!!!!
    sinceramente …com minhas estimas e um TFA ….adalberto oliveira martins filho.

  7. Concordo totalmente, General! Os militares não têm autoridade para julgar os mandos e desmandos dos nossos governantes. A missão deles é resguardar a liberdade dos cidadãos. Quando, e se, houver a quebra desse direito do povo, aí sim se legitima qualquer ação por parte das Forças Armadas.

  8. paulo musambani disse:

    Os militares não são covardes, e muito menos omissos…
    As forças armadas existem pra defenderem a nação do terrorismo internacional, nossas fronteiras e realizar ajudas humanitárias no país, e muitas outras questões importantes.
    As FFAA não deveriam patrulhar favelas, pois se o exército for trabalhar pra valer nesse quesito haverá muito choro e ranger de dentes, e num país dominado por esquerdistas, ongs sem vergonha, e direitos inumanos a coisa vai chegar pro povo menos informado que o exército atua como se fosse o exército de hitler…

    Eu acredito tranquilamente e confio plenamente em nossos Generais, sei que necessário for eles não deixarão o país se transformar em uma Venezuela….

    Os patriotas de verdade, saberão o momento exato de mostrarem seu valor……..

    Deverão continuar mais atentos e vigilantes à partir de 2019, pois um certo rato poderá voltar ao poder, e com certeza implementará outras formas mais astutas de se consolidar do poder.

    Precisaremos e muito dos patriotas num futuro próximo…

    Abraços General…

  9. Rodrigo de Souza disse:

    Concordo, prezado general. Contudo, mesmo assim, nosso país está em risco: se porventura Lula – espero que seja preso a tempo -, Ciro, Marina ou qualquer outro comunista vencer as eleições através das urnas eletrônicas, apuração secreta e/ou ignorância do povo, com certeza entraremos em um colapso jamais visto, e ainda tentarão jogar as FFAA contra a população. Creio que as FFAA estarão sempre ao lado do povo, e, se não me engano, o próprio general Villas Boas afirmou que não obedecerão ordens absurdas e abusivas contra a sociedade, mas, apesar disso, espero que não cheguemos a esse ponto.

    Não acredito que a intervenção ocorrerá, pelo menos não facilmente. Mas acredito que uma pressão das FFAA sobre o STF, Executivo e Legislativo é possível e surtiria efeito. O que Michel Temer e Raul Jungmann fizeram contra o general Mourão é covardia, mas duvido terem a mesma coragem para resistir e enfrentar a pressão de inúmeros militares. O que o senhor acha de uma pressão militar sobre os três poderes?

    • Acho ótimo e até necessário!

      • Rodrigo de Souza disse:

        Espero que seja um consenso entre os militares, caro general. Principalmente entre os generais. Os três poderes estão corrompidos , e um deles, o STF, está se colocando acima dos demais, interpretando a CF como convém.

        Como não poderia ser diferente, o TSE, juntamente com a ala corrupta do congresso – a grande maioria -, está querendo sabotar a Lei do Voto Impresso, afirmando que não dispõe de recursos suficientes para a compra de impressoras – para 100% das urnas eletrônicas -. E para piorar – espero que não seja verdade -, soube que Gilmar Mendes quer, até mesmo, sabotar a candidatura do Bolsonaro a todo o custo, inclusive não permitindo sua posse, caso eleito em 2018, alegando “campanha irregular”.

        Falando sobre o Legislativo, este derrubou o veto presidencial e limitou a doação de campanha feita pelo próprio candidato. Como o jornalista Paulo Eduardo Martins disse: “Agora o sujeito mal pode usar o próprio dinheiro na sua própria campanha.”

        Resumindo, eles irão fazer de tudo para que Bolsonaro não seja eleito ou tome posse, porque ele representa uma ameaça ao establishment. Se outro candidato tivesse a mesma chance, sofreria a mesma perseguição: poderia ser o Amoêdo, o Caiado, o Dória, não importa. Não é paranóia, pois isso ficou muito claro.

        Que tipo de “democracia” estamos vivendo? A pergunta que não quer calar: o que o povo e os militares podem fazer diante dessa situação, caro general?

      • Caro Rodrigo, eu procuro conhecer o inimigo. Ele não é uma pessoa, mas um conjunto de ideias, estratégias, procedimentos e comportamentos que podem ser identificados e, consequentemente, combatidos por qualquer um e por todos que o conheçam. Todos que, como você, já sabem identificar, repudiar e combater o “politicamente correto” são os combatentes dessa guerra. As urnas eletrônicas estão no nível tático da contenda, têm que ser combatidas no confronto direto das manifestações por todos os meios ao nosso dispor, inclusive judiciais. Nossa principal meta tem que ser estratégica, a descontaminação da cabeça e do comportamento das pessoas – dos jovens -, o acompanhamento das nossas crianças na escola, a recuperação e o fortalecimento dos valores cristãos que ainda são os alicerces da nossa sociedade. Esse é o caminho e a missão, longa, árdua e desgastante!

  10. Rodrigo de Souza disse:

    Caro general, também concordo com a sua última resposta ao meu comentário – não consigo responder na sequência, mas apenas com outro comentário -.

    Continuando, compreendo que a luta será longa, e, como um pequeno exemplo e sem generalizações, vejo isso desde as pessoas mais simples aos patrões de pequenas e grandes empresas PRIVADAS: há muita gente mal educada nas ruas, ônibus, trens, metrôs; em algumas empresas há falta de profissionalismo e liderança que, inclusive, influencia nas badernas que ocorrem dentro dos ambientes de trabalho – minha mulher sofre muito com isso -. Claro que, com isto, não significa que sou contra privatizações – sou a favor que privatizem todas as estatais -, mas que o problema está nas pessoas. E sabendo que é apenas um simples exemplo – pois há coisas muito piores -, sem dúvidas, não há como negar a necessidade de descontaminar a cabeça e o comportamento do povo brasileiro. Portanto levaremos anos para reconstruirmos o que foi destruído.

    Contudo, caso ocorra, de imediato, algum golpe, tanto do Executivo quanto do Legislativo e/ou do Judiciário, na opinião do senhor, qual providência poderemos tomar (militares e/ou civis)?

    O deputado Onix Lorenzoni fez um alerta gravíssimo, envolvendo, mais uma vez, o ministro Gilmar Mendes, onde esse apresentou uma proposta de emenda constitucional para impedir as eleições de 2018: https://www.youtube.com/watch?v=vgop1lNvWMY

    Obs: como monarquista também sou a favor da parlamentarismo, mas neste momento, com a hegemonia de todos esses partidos de esquerda (sejam social-democratas ou comunistas), é claramente um golpe. Eles farão de tudo!

      • Rodrigo de Souza disse:

        Então, caso ocorra qualquer golpe como, por exemplo, proposto pelo ministro Gilmar Mendes, os militares não acatarão?

      • NÃO, os militares não acatarão “quaisquer golpes”, mas, é importante que se saiba que a definição do que seria um “golpe” depende de cada um. Há quem diga que a Proclamação da República não foi um golpe militar, eu digo que foi. Há quem diga que o que houve em 1964 não foi golpe, eu digo, com muito orgulho, que foi, era necessário e foi oportuno. Há quem diga, em campos diversos, que os impeachments do Collor e da Dilma foram golpes, eu discordo!

  11. Rodrigo de Souza disse:

    Continuando, estou de acordo, caro general. O problema é que muitas pessoas, hoje, estão preocupadas com a possibilidade de os militares obedecerem exatamente tudo o que está sob forma ou “interpretado” como lei – principalmente pelos ministros do STF -, independente de qualquer coisa.

    Se o Lula não for preso e conseguir se reeleger – através da fraude nas urnas eletrônicas e da apuração secreta -, ele irá se “vingar” de todos os seus “inimigos” – a população de bem – . Sendo o chefe do Executivo o comandante supremo das FFAA, o que seria da população de bem? Na opinião do senhor, qual seria a postura das FFAA, caso um presidente comunista – seja quem for – as ordenasse, direta ou indiretamente, a “lutar” contra os seus “inimigos”?

    Contudo, na população, principalmente nos mais céticos em relação às eleições de 2018, existe uma esperança de que, caso um dia seja necessário, ocorra uma ruptura institucional, onde os militares se manifestam a favor do povo, como um recurso de última instância.

    Sei que já estamos no terceiro dia, mas desejo que DEUS abençoe e esteja na direção deste novo ano até o seu desfecho final!

    Peço desculpas por qualquer coisa e por sempre me estender demais nos comentários.

  12. boa noite General Paulo….revendo todas os comentários, acabo por concordar com o Sr….Tudo acontece na hora exata…nada é por acaso!!!Sei que os Srs tem tato suficiente, para análise e evoluçao dos problemas…como tb sei que haverá um “”basta””…mas tudo na hora certa, respaldado pela constituição!!!infelizmente nao temos paciência e tolerância suficiente para aguardar…rs….rs…mas a conduçao deste processo está correta!!!! qdo estourar os limites sabemos que os SRs estarão presentes!!! e torço para que fiquem no poder pelo menos 50 anos!!!rw..rs….nao acredito que exista covardes ou omissos nas nossas FFAA !!! General Paulo Chagas….o Sr é o grande balizador para nós…com muita coerência e dedicação tem idéias e objetivos o que é excelente!!!!!!!enquanto que nós, não militares, nao temos conhecimento das táticas e legislaçao utilizadas pelas FFAA
    Um Feliz 2018 repleto de muita saúde e sabedoria!!!
    tfa adalberto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s