Uma mentira repetida mil vezes toma feição de verdade!

“No Rio, o estudante secundarista Edson Luís foi morto com um tiro no peito pela Polícia Militar em 28 de março de 1968, durante uma operação da repressão no Calabouço, restaurante dos estudantes que virou um dos focos de resistência contra o regime militar”.

O historiador Carlos Ilich Santos Azambuja, no texto “A parcialidade escancarada”, publicado no site Mídia Sem Máscara em 12 de dezembro de 2002, disponível no endereço http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php…, afirma que foi testemunha ocular do fato ocorrido no Calabouço e que quem matou Edson Luís não foi a Polícia Militar, mas um estudante e militante do PCB, cujo nome tem as iniciais ACFPP.

No dia 22 de novembro de 2012, Azambuja afirmou textualmente o seguinte: “O nome do cara do qual eu escrevi apenas as iniciais é ANTONIO CARLOS FARIA PINTO PEIXOTO, na época militante do PCB. Faleceu em 15 de Julho de 2012”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Atualidades. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s